Uma babá colorida
Capítulo Bônus

Veronica
14 anos depois

Estávamos indo na direção Norte pela rodovia. O céu azul de março estava cheio de nuvens brancas que deviam ter me deixado de bom humor.
Mas as crianças não paravam de brigar.
“Eu não estou te encostando!”, Brendan insistiu.
“Está sim!”, Oliver gritou de volta. “Você acabou de encostar no meu braço!”
“Foi sem querer.”
Virei-me para o banco de trás e dei uma olhada fulminante para eles. “Brendan, pare de encostar no seu irmão.”
“Eu não…”
“Ha-há!”, Oliver provocou.
“E você”, sibilei. “Você instigou seu irmão fazendo isso durante toda a primeira hora da viagem. Se vocês dois não começarem a se comportar, vão ficar de castigo pelo resto do dia.”
Oliver engasgou, “Isso não é justo!”
“Se vocês continuarem brigando eu vou mostrar o que é justo. Quer ficar de castigo por dois dias?”
“Você disse que eu podia andar de caiaque!”, Oliver respondeu.
Meu olhar se intensificou.
Ele deu um suspiro longo de adolescente. “TÁ BEM.”
Brendan começou a mostrar a língua para o irmão, mas levantei um dedo na direção dele também. Finalmente eles cruzaram os braços e olharam para fora através de suas respectivas janelas.
Olhei para a frente de novo e expirei. Atrás do volante, Bryce sorriu.
“Você está achando isso muito engraçado?”, perguntei, um pouco menos ríspida do que fui com os garotos.
Ele deu de ombros. “Eu não disse nada.”
Os garotos davam trabalho. Mesmo com a família dividida em duas – Liam, Pax e nossos outros dois filhos estavam em outro carro – viagens de carro eram sempre uma batalha. Não importava quantos jogos e livros nós comprássemos, os meninos ficavam inquietos depois de uma hora. Eles tinham a capacidade de concentração de mosquitos.
Eles também eram iguaizinhos aos seus pais.
Oliver tinha quinze anos e agia como tal. De péssimo humor o tempo todo, contrariando tudo. Se eu dissesse que o céu estava azul ele insistiria que estava verde só para discordar.
Mas eu o amava mais do que tudo.
Brendan era como seu irmão – biologicamente eles eram meio-irmãos, já que seus pais eram Bryce e eu, mas a distinção não nos importava. Tinha doze anos de idade e seguia seu irmão como um cachorrinho. Isso incluía provocar e brincar com Oliver mesmo quando ele queria ficar sozinho.
Meus outros dois filhos, Andrew e Will ainda estavam em fases calmas e inocentes. Nove e oito. Eles eram filhos de Pax e Liam, respectivamente. Andrew era um gênio da matemática e amava contar coisas, enquanto Will gostava de esportes. Ele foi o mais rápido do time de natação na Filadélfia, que era treinado por seu pai. Liam achava que ele poderia quebrar alguns recordes estaduais dentro de um ou dois anos.
“Eu estava apenas pensando sobre como Andrew e Will estão provavelmente sentados no carro calmamente agora”, Bryce disse. “Lendo ou ouvindo música.”
Dei a ele um olhar brincalhão. Eles são seus filhos. Era uma brincadeira interna entre os adultos. Falávamos que Bryce era terrível quando criança e agora estava fadado a filhos terríveis também.
Mas era apenas uma brincadeira. Por mais que os aborrecimentos adolescentes existissem, éramos mais felizes do que jamais pensamos que pudéssemos ser.
As três alianças no meu dedo provavam isso.
Tínhamos deixado a Filadélfia cedo e chegamos na casa do lago por volta de dez da manhã. Saímos do carro e eu abri o porta-malas para descarregar tudo. Oliver se aproximou de mim sombriamente. Ele pode ter sido um bebê gorducho, mas ele era maior do que eu e fino como um palito. Me deu um abraço.
“Desculpa, mãe.” Ele disse.
Ele me chamava de mãe desde que tinha três anos, mas isso ainda me fazia feliz todas as vezes. Bryce sorriu para si mesmo enquanto tirava o cooler do porta-malas.
“Está tudo bem”, eu disse. “Ajude-nos a carregar tudo para dentro e então você pode ir se arrumar.”
O lago e nossa casa no lago pareciam os mesmos desde quando cheguei aqui pela primeira vez, quatorze anos atrás. A única diferença era o desenvolvimento, várias casas se espalhavam pela costa do lago. Havia também uma nova casa perto da nossa, e aquela não nos incomodava.
A porta do vizinho se abriu e meu pai veio correndo pelos degraus. “Eles estão aqui! Estão todos aqui!”, ele gritou, chamando todos, enquanto cruzava a garagem para me abraçar.
Atrás dele surgiu o resto da minha família. Meus irmãos e irmãs já estavam adultos e eu tinha seis sobrinhas e sobrinhos. Nós éramos uma grande família agora! E meu pai era o avô mais orgulhoso do mundo.
“Juro que você fica maior cada vez que te vejo, Ollie!”, ele disse enquanto abraçava o garoto.
“Vô, é Oliver!”, insistiu.
A expressão do meu pai ficou séria. “Desculpe, certo. Oliver. Esqueci que esse é seu nome agora.” Ele esticou a mão e tocou o rosto do adolescente. “Isso é sujeira nas suas bochechas? Veronica, seus filhos não tomam banho?”
“É barba, vô”, Oliver reclamou. “Não é nada demais.”
“Barba?” Meu pai apertou os olhos. “Preciso dos meus óculos para enxergar…”
Tentei não rir. Oliver resmungou e se virou.
Meu pai arrepiou o cabelo de Oliver. “Os caiaques já estão na água, prontos para irmos. Você vem conosco?”
Meu pai olhou para mim, enfatizando a pergunta que não foi dita: Oliver não se comportou no caminho e está de castigo de novo?
“Vamos todos andar de caiaque”, respondi por ele. “Assim que descarregarmos os carros.”
Liam, Pax e os outros dois garotos chegaram alguns minutos depois. Bryce provocou Pax sobre ele dirigir como um adolescente tirando carteira. Andrew e Will praticamente atacaram o avô, sufocando-o com abraços e gritos de alegria.
“Estou ficando muito velho pra isso”, ele disse a eles. “Um dia desses vocês vão quebrar minhas pernas!”
Nós levamos tudo para dentro e colocamos nossas roupas de banho. Naquele momento, todo mundo estava na beira do lago, pegando os caiaques e os remos. Tinha se tornado uma tradição familiar, andar de caiaque em grupo no primeiro dia de férias. Minha irmã trazia seu recém-nascido amarrado ao peito como eu fazia com Oliver. Nós éramos vinte em dezenove caiaques, como uma armada partindo da costa.
“Corrida!”, Will anunciou para ninguém em particular.
Comecei a remar rapidamente. “Estou dentro!”
Nós dois remamos rápido, apostando corrida pelo meio do lago. Era fácil para Will transformar em competição. Ele olhava a cada instante para checar se eu estava na frente.
De repente, Liam veio voando, seus braços musculosos manobrando o remo com facilidade. “Muito lento”, ele disse, passando sem esforço.
“Pai!”, Will reclamou. “Não é justo!”
Levantei meu remo e o bati contra o de Liam. Seu remo escorregou dos seus dedos e caiu na água, espalhando uma nuvem de água. Ele boiava pela superfície, mas Liam rapidamente o pegou de volta.
“O que foi isso?”, Liam perguntou.
“Apenas te colocando no seu lugar!”, eu disse enquanto o ultrapassava.
“Traidora!”
Dividi um sorriso e uma gargalhada com Will enquanto continuávamos remando.
Depois de andar de caiaque voltamos para a casa do lago para fazer almoço. Outra tradição era fazer uma grande travessa de sanduíches de salada de frango para todos dividirem.
Andrew ajustou seus óculos enquanto encarava o balcão da cozinha. “Por que sempre comemos isso?”
“Muito tempo atrás, Papai Bryce ficou doente por causa de um sanduíche de salada de frango. Nós ficamos muito assustados.”
“Isso é estúpido”, Andrew desabafou.
“Começou como uma ironia”, Pax se intrometeu. “Nós fizemos nosso próprio sanduíche um ano depois e começamos a provocá-lo por isso. Mas eles ficaram deliciosos, então…” Ele deu de ombros como se já tivesse explicado.
Andrew revirou os olhos na direção do pai.
Meu pai veio para a nossa casa depois do almoço. “Vamos, vamos! É hora da trilha!”
“Nós temos que ir?”, Oliver disse enquanto mexia no seu celular.
“É claro que sim. Quero fazer trilha com todos os meus netos favoritos. Se você ficar, significa que você é um dos meus menos favoritos…”
Aquilo foi o suficiente para convencer Oliver. Todo mundo se trocou e seguiu meu pai para fora da casa, em direção às trilhas do lago.
Eu e meus três maridos não tínhamos muito tempo sozinhos graças aos quatro meninos. Nós tínhamos que aproveitar qualquer situação que pudéssemos. Pax ficou de pé na sala de estar e espiou pela janela usando binóculos.
“Ok, eles se foram. Temos pelo menos uma hora.”
Nós quatro corremos para a suíte master, tirando nossas roupas no caminho. Caí na cama enquanto meus homens me tomavam, se revezando para me beijar e me cobrir com seus corpos. Sexo grupal não era tão divertido quando havia um timer correndo dentro da nossas cabeças, mas ainda assim era tão eletrizante e satisfatório quanto como a primeira vez que fizemos. 
“Isso nunca perde a graça”, Bryce disse enquanto nos acariciávamos depois. 
“Diferente do seu traseiro, enrugado e sem graça.” Pax respondeu.
“Enrugado?”, Bryce se virou na cama para olhar sua parte de trás. “Não vejo nenhuma ruga, continua macio.”
“Não desse ângulo.”
Eu ria enquanto eles provocavam um ao outro. Até agora eles tinham envelhecido maravilhosamente bem para homens que tinham quarenta e poucos anos. O cabelo de Bryce era grosso como sempre, mas com alguns fios cinzentos. Liam estava fisicamente sarado como era quando nos conhecemos. Magro e musculoso. Pax tinha uma barriguinha saliente, que fazia dele ainda mais amável.
Os últimos quatorze anos passaram voando. Eu me perguntava o quão rápido os próximos quatorze passariam. Mas então eu teria cinquenta. Oliver teria quase trinta. 
Era muita coisa para pensar, então, ao invés disso, me concentrei nos homens nus que eu estava acariciando.
Mais tarde, naquela noite, caminhamos até a casa do lago do meu pai para jantar. Vinte pessoas lotavam a casa, mas não nos importávamos. Era assim que gostávamos. Uma grande família feliz. Oliver trouxe seu caderno de desenho e se sentou no deck de trás. Ele não gostava tanto de pintar quanto o pai, mas ele era realmente talentoso quando se tratava de desenhos à lápis e grafite. Ele imediatamente começou a rascunhar a vista do lago, começando por algumas linhas horizontais para marcar a costa.
“Você quer uma bebida?”, meu irmão me perguntou quando entramos. “Suzie fez uma jarra de suas famosas margaritas.”
“Sim, por favor!”, disse Pax, indo diretamente para a cozinha.
Entreguei a ele o copo que tinha em mãos. “Só água para mim.”
Aquilo atraiu alguns olhares. Ninguém recusava as margaritas de Suzie. As conversas ao redor se silenciaram lentamente.
“O que está acontecendo?”, Brendan perguntou desconfiado. “Todo mundo ficou quieto.”
Pax era o único que parecia não ter notado. Ele estava ocupado se servindo de margarita na cozinha.
“Veronica?”, Bryce perguntou. “É verdade?”
Droga, pensei. Não queria anunciar assim desse jeito. Eu tinha esquecido das margaritas de Suzie. Deveria ter inventado uma desculpa boa antes.
“Queria esperar até o nosso aniversário na semana que vem para fazer uma surpresa, mas…” eu deixei minha mão escorregar pela minha barriga.
A empolgação encheu o cômodo. Liam comemorou gritando e correu para me abraçar. Bryce veio logo atrás dele, seguido por meu pai. “Ah, Harmonica. Isso é maravilhoso!”
“Ahn?”, Pax perguntou, enquanto tomava sua margarita. “O que eu perdi?”
“De quem é?”, meu irmão perguntou.
Todo mundo esperou pela minha resposta. Antes minha família pensava que era estranho eu ter três namorados, e foi ainda pior quando me casei com os três. Mas eles se acostumaram rapidamente, especialmente quando começamos a vir para a casa do lago em todas as férias. Agora era totalmente normal para eles. Ninguém pensou duas vezes.
“Não sei”, admiti. “Mas de uma coisa eu sei: é melhor ser uma menina dessa vez!”
Os olhos de Pax se arregalaram e ele olhou para minha barriga. “Uma menina… ahn? AH!”
Todo mundo riu quando ele deixou sua margarita cair quando correu para me abraçar.
Após o jantar nós voltamos para a nossa casa no lago. As crianças estavam exaustas e foram para a cama enquanto Bryce, Liam, Pax e eu nos sentamos no deck com drinks. Tomei minha coca diet e suspirei.
“Temos um problema”, eu disse em voz alta.
As cabeças dos meus três maridos se viraram para mim. “O que foi? Qual é o problema?”
“Estou feliz”, eu disse. “Feliz demais.”
“E isso é um problema… por quê?”, Liam perguntou.
“Só acho que devemos pegar mais leve”, brinquei. “Equilibrar nosso karma com algumas notícias ruins.”
Pax se levantou na cadeira. “Você quer que eu comece a desviar dinheiro da sua previdência? Está indo tão bem que você provavelmente nem vai reparar.”
“É um bom começo.”
“Perfeito. Começo a trabalhar nisso amanhã.”
“Felicidade demais é ruim para a criatividade artística”, disse Bryce. “As melhores obras são criadas em períodos de depressão ou conflitos.”
“Podemos começar a discutir”, Liam respondeu. “Veronica, os sanduíches de salada de frango tinham muita maionese. Nosso casamento está acabado.”
Eu engasguei. “Não envolva os sanduíches nisso!”
Nós rimos e nos provocamos e sorrimos enquanto assistíamos ao pôr do sol do outro lado do lago.